Biografia dos Santos

São Bento Menni

Posted on: julho 22, 2010

Biografia pelo Vaticano

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

DURANTE O RITO DE CANONIZAÇÃO

DE DOZE BEATOS

 

Cirilo Bertrán e oito Companheiros
Inocêncio da Imaculada
Bento Menni
Tomás de Cori

Domingo, 21 de Novembro de 1999

3. “Vinde, benditos de Meu Pai, recebei em herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo… porque adoeci e visitastes-Me” (Mt 25, 34.36). Estas palavras do Evangelho proclamado hoje serão, sem dúvida, familiares a Bento Menni, sacerdote da Ordem de São João de Deus. A sua dedicação aos doentes, vivida segundo o carisma hospitaleiro, guiou a sua existência.

A sua espiritualidade surge da própria experiência do amor que Deus tem para com ele. Grande devoto do Coração de Jesus, Rei dos céus e da terra, e da Virgem Maria, encontra nele a força para a sua dedicação caritativa ao próximo, sobretudo aos que sofrem: anciãos, crianças, escrofulosos, poliomielíticos e doentes mentais. Prestou o seu serviço à Ordem e à sociedade com humildade a partir da hospitalidade, com uma integridade irrepreensível que o converteu em modelo para muitos. Promoveu diversas iniciativas, orientando algumas jovens que formariam o primeiro núcleo do novo Instituto religioso, fundando em Ciempozuelos (Madrid), as Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus. O seu espírito de oração levou-o a imergir-se no mistério pascal de Cristo, fonte de compreensão do sofrimento humano e caminho para a ressurreição. Neste dia de Cristo Rei, São Bento Menni ilumina, com o exemplo da sua vida, aqueles que querem seguir as pegadas do Mestre pelos caminhos do acolhimento e da hospitalidade.

Fonte:http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/homilies/1999/documents/hf_jp-ii_hom_21111999_beatifications_po.html

 

Bento Menni, nosso Fundador Ofereceu a sua vida em favor da humanidade. Bento Menni, ofereceu a sua vida em favor da humanidade. Por ela e pelo seu bem gastou todos os seus dias. Se queres saber mais a respeito deste grande homem, se desejas conhecer o seu estilo, apreciar a característica que melhor identifica a sua atraente personalidade, pega numa Bíblia; abre o Evangelho nas páginas escritas por S. Lucas e lê: “Descia um homem de Jerusalém para Jericó. Caíram sobre ele uns ladrões. […] Um samaritano, que ia de viagem, passou junto dele e ao vê-lo teve pena. Aproximou-se, tratou-lhe os ferimentos com azeite e vinho e pôs-lhe ligaduras. Depois, colocou-o em cima do seu jumento, levou-o para uma pensão e tratou dele.” Esse homem, esse bom samaritano do Evangelho, é o retrato mais fiel e acertado que se pode fazer de Bento Menni. Nasceu em Milão (Itália), a 11 de março de 1841, do casamento de Luísa Figini com Luís Menni, sendo o quinto de 15 irmãos. Além do húmus familiar, que marca a vida de qualquer pessoa, quatro episódios influenciaram a sua decisão de se fazer Irmão de S. João de Deus. uns exercícios espirituais aos 17 anos os conselhos de um eremita de Milão a oração diária frente a um quadro de Maria, a Mãe de Jesus o exemplo dos Irmãos de S. João de Deus tratando os soldados que chegavam à estação de Milão, feridos na batalha de Magenta, serviço que ele próprio praticou. Em 1860 entrou na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus trocando o nome de Angel Hércules, recebido no batismo, pelo de Bento. Fez os estudos filosóficos e teológicos, primeiro no Seminário de Lodi e depois no Colégio Romano (atual Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma). Foi ordenado sacerdote em 1866. Pio IX confiou-lhe a difícil missão de restaurar a Ordem Hospitaleira em Espanha, onde tinha sido abolida, ação que começou em 1867. Depois de dar nova vida à Ordem em Espanha, continuou com a sua restauração em Portugal, no fim do século XIX e, no México, já no princípio do século XX. Em 31 de maio de 1881 fundou a Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus. Foi um homem de caridade inesgotável e de excepcionais qualidades de governo. Na altura da sua morte, em Dinan (França) no ano 1914, tinha criado 22 grandes centros entre asilos, hospitais gerais e hospitais psiquiátricos. Os seus restos mortais são venerados na Casa-mãe de Ciempozuelos. Bento Menni e com os profetas da Hospitalidade Em 23 de junho de 1985 foi declarado beato pelo Papa João Paulo II e em 21 de novembro de 1999 o mesmo Papa o canonizou. A Igreja reconhece a sua santidade, vivida em grau extraordinário.

Fonte:http://www.hospitaleiras.org/Bentomenni.html

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: