Biografia dos Santos

São Rafael Kalinowki

Posted on: junho 20, 2010

“Fora da oração não tenho nada para

oferecer ao meu Deus.

 Não posso jejuar,

não tenho quase nada

para dar em esmola;

falta-me a força para o trabalho.

Resta-me somente rezar e sofrer.

Porém, nunca tive tesouros maiores

e não quero outra coisa.”

São Rafael Kalinowski

Biografia por Frei Patrício Sciadini, OCD

No dia 22 de junho de 1983, o papa João Paulo II o beatificou quando visitava a Cracóvia. Passados apenas oito anos, no dia 17 de novembro de 1991 será proclamado santo…(p.11).

 Frei Rafael nasceu na pequena cidade de Vilna, no dia 1º de setembro de 1835. Filho de um diretor e professor no Instituto dos Nobres. Sua mãe morre quando ele tem dois meses de vida.O pai casou-se três vezes e teve oito filhos….Frei Rafael, antes de ser carmelita descalço, chamava-se José. Segundo o costume do tempo, no início do noviciado, foi-lhe mudado o nome para: Rafael de São José…(p.13).

 Militar

 Rafael Kalinowski compreendeu…o caminho da Academia Militar…O ambiente militar é pesado e invencível quanto aos valores humanos e religiosos…Torna-se indiferente, preocupado apenas com a carreira e com os problemas do cotidiano…Assim ele escreve:

 “Tenho a tendência para as vaidades do mundo, procuro nelas um remédio para mim, mas não encontro nisso nem força nem paz interior.

 Mais tarde, no ocaso da vida, escrevendo suas memórias, relembra os tempos passados; e com uma nota de tristeza diz:

 “Abandonava as práticas religiosas, porém, às vezes, despertava-se em mim o desejo delas. No entanto, não era fiel a esta voz interior.”(p.15).

 Volta à fé fervorosa

 A leitura das Confissões de Sto Agostinho abre novos horizontes ao seu espírito…Na solidão da estepe da Ucrânia e da Russia, vai reencontrando a paz interior. Longe de tudo…vai crescendo espiritualmente…nesta imensa solidão percebe que uma vida nova vai renascendo.

 “Nesta solidão consegui descobrir dentro de mim a paz interior e confesso que este contínuo trabalho sobre mim mesmo, longe de tudo, realizou uma grande mudança para melhor na minha vida. Reconheci os valores bem conhecidos da religião, e, enfim, voltei a ela.”(p.16).

 Um livro de devoção ajuda-o na conversão

 “Um livro de devoção que chegou casualmente a minhas mãos por meio do meu assistente polonês; havia ele recebido de sua mãe quando  saiu de casa. A leitura deste livro influenciou imensamente a minha alma, de maneira particular despertou em mim o sentimento de confiança na intercessão de Maria Santíssima.”(p.17).

 Prisão

 O ano de 1863 foi o ano em que Kalinowski, abandonando o exército, será nomeado Ministro da Guerra do exército polonês que vivia na clandestinidade…Na noite de 24-25 de março de 1864 é preso pela polícia russa e levado ao ex-convento dos dominicanos.(p.19).

 Oferecimento

 “Fora da oração não tenho nada para oferecer ao meu Deus. Não posso jejuar, não tenho quase nada para dar em esmola; falta-me a força para o trabalho. Resta-me somente rezar e sofrer. Porém, nunca tive tesouros maiores e não quero outra coisa.”(p.20).

 Vocação Sacerdotal

 Será na Sibéria que a sua vocação para a vida religiosa amadurecerá…A profunda amizade com o Pe. Szwernicki, que se encontrava também em exílio, ajudou Kalinowski a descortinar com maior clareza o seu futuro…Existe uma única possibilidade: migrar para o ocidente e entrar no Carmelo. Na Polônia existe um único convento de Carmelitas descalços, o de Czernos que, por falta de religiosos em 1875, foi unido à Província da Áustria. Um caminho difícil a ser percorrido, mas a coragem de Frei Rafael Kalinowski terá a plena vitória.(p.21).

 Formar a juventude

 Uma das maiores preocupações de Kalinowski foi, sem dúvida, a formação da juventude.(p.23).

 Sacerdócio

 Com um rápida experiência no Carmelo, recebeu o hábito de Noviço em 26 de novembro de 1877…feita a profissão, é enviado ao Convento de Gyor, na Hungria, para terminar a sua formação teológica…Frei Rafael tem 46 anos. Terminado o curso de filosofia e teologia, é considerado apto para receber o sacerdócio. No dia 15 de janeiro de 1882,[1] em Czerna, recebe a Ordenação Sacerdotal pelas mãos de Dom Albino Dunajewski.(p.26-28).

 Caridade

 O conselho que quase constantemente dava aos seus religiosos era: “Conservem sempre a unidade da caridade”.(p.30).

 Oração

 “O mundo pode privar-me de tudo, mas sempre permanecerá um esconderijo inacessível: a oração.(p.30).

 Maria

 “Honrar Maria é para nós, Carmelitas, um ponto essencial. Nós a amamos quando nos esforçamos por imitar as suas virtudes, a sua humildade, o seu recolhimento na oração. Permaneçamos com o nosso olhar fixo em Maria e assimilemos dela todos os seus afetos.”(p.32).

 No seu ministério sacerdotal, especialmente no confessionário, Frei Rafael insistia na imitação de Maria e da necessidade do amor para com a Mãe de Deus e refúgio dos pecadores.

 Dom da escuta

 Frei Rafael não tinha o dom da palavra. Pregava pouco e brevemente, mas tinha o dom da escuta e do conselho. Para todos uma palavra boa, um conselho que devolvesse a esperança nas dificuldades da vida.(p.32).

 Morte

 O seu sonho era morrer no dia 2 de novembro. O dia em que a Igreja faz memória de todos os defuntos. Morreu no dia 15 de novembro, dia em que o Carmelo celebra a memória de todos os defuntos da Ordem.(p.33).

 Pensamentos

 -Ninguém aqui na terra, exceto Deus, pode substituir o coração dos pais.

 “Deus é o Pai amoroso que leva o filhinho pela mão; o mestre sempre junto ao discípulo para ajudá-lo a superar os perigos da inexperiência: e não só nos acompanha o Senhor e nosso Deus, como nos vai conduzindo para fora de nós mesmos sob o vínculo de nossas leis.”

 “O cimento de todas as coisas que conduzem a Deus é a oração”.

 “Cada passo que damos deveria nos aproximar sempre mais de Deus e proporcionar um pouco de felicidade para os outros.”

 “Maria, na sua Majestade, é o livro no qual o mundo lê o Eterno Verbo de Deus.”

 “Os homens bons são semelhantes ao ar puro que cada qual respira mesmo sem o ver.”

 “Um dos motivos de devoção e do amor à Ssma. Virgem Maria é que nos planos da Divina Providência a Encarnação foi necessária para a nossa redenção. Sem as virtudes de Maria não seria vaso de eleição. Deus não teria tido onde vir. Ó Maria! Que seria de nós sem as tuas virtudes? Por que te conhecemos e amamos tão pouco?”

 “Não se deve jamais descurar a Paixão do Senhor. É preciso meditá-la, ainda que haja dificuldade porque, de outro modo, podem advir muitos males.”

 “Somente aquilo que se conquista com o sacrifício tem valor”.

 Fonte: Frei Patrício Sciadini. A Liberdade não morre: Grito de Justiça. Edições Loyola.1991.

Testemunho de Vida de São Rafael Kalinowki

Sacerdote aos 47 anos

 Com um rápida experiência no Carmelo, recebeu o hábito de Noviço em 26 de novembro de 1877…feita a profissão, é enviado ao Convento de Gyor, na Hungria, para terminar a sua formação teológica…Frei Rafael tem 46 anos. Terminado o curso de filosofia e teologia, é considerado apto para receber o sacerdócio. No dia 15 de janeiro de 1882,[2] em Czerna, recebe a Ordenação Sacerdotal pelas mãos de Dom Albino Dunajewski.(p.26-28).

 Fonte: Frei Patrício Sciadini. A Liberdade não morre: Grito de Justiça. Edições Loyola.1991.

 

Testemunho de Vida de São Rafael Kalinowki

Dom de escuta

 Frei Rafael não tinha o dom da palavra. Pregava pouco e brevemente, mas tinha o dom da escuta e do conselho. Para todos uma palavra boa, um conselho que devolvesse a esperança nas dificuldades da vida.(p.32).




[1]Ordenado sacerdote com 47 anos de idade.

[2]Ordenado sacerdote com 47 anos de idade.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: